Anuario de Estudios Medievales, Vol 48, No 1 (2018)

Ciudades y villas en el reino de Portugal en la Baja Edad Media. Los factores político y jurisdiccional como criterios de jerarquización


https://doi.org/10.3989/aem.2018.48.1.01

Adelaide Millán da Costa
Universidade Aberta. Instituto de Estudos Medievais – FCSH/NOVA, Portugal
orcid http://orcid.org/0000-0001-9335-9386

Resumen


En los siglos XV e inicios del XVI, conjugadas con su definición o evolución jurisdiccional. Así, el factor político corresponde al enfoque de observación de una posible jerarquía de las comunidades urbanas –de acuerdo con ciertos criterios de delimitación del grupo y, en su interior, del rango asignado a cada una–; mientras que el elemento jurisdiccional es la variable en función de la cual vamos a profundizar en el tema. Se asume la perspectiva de sistematizar el conocimiento ya producido y de presentar nuevos datos, problemas e interpretaciones, estrategia que creemos pueda ser productiva en el contexto de este monográfico, pues hace posible la comparación con realidades de otros reinos.

Palabras clave


Edad Media; ciudades y villas; comunicación política; jerarquía urbana; cortes

Texto completo:


PDF

Referencias


Azevedo, Pedro de (1917), As cartas de criação de cidade concedidas a povoações portuguesas, “Boletim da Segunda Classe da Academia das Ciências” 10, pp. 930-971.

Chaves, Álvaro de, Livro de Apontamentos 1438-1489. Códice 443 da Colecção Pombalina da BNL, ed. Anastásia Mestrinho Salgado, Abílio José Salgado, Lisboa, Imprensa Nacional - Casa da Moeda, 1983.

Cortes Portuguesas: Reinado de D. Duarte (Cortes de 1436 e 1438), João José Alves Dias (organização e revisão geral); Pedro Pinto e João José Alves Dias (transcrições); A. H. de Oliveira Marques (revisão); Maria Alexandra Lousada e Manuel Sílvio Alves Conde (colaboração na pesquisa), Lisboa, Centro de Estudos Históricos da Universidade

Nova de Lisboa, 2004.

Cortes Portuguesas: Reinado de D. Afonso V (1438), João José Alves Dias e Pedro Pinto (edição); Carlos Silva Moura e Pedro Pinto (transcrições); João José Alves Dias e Pedro Pinto (revisão), Lisboa, Centro de Estudos Históricos da Universidade Nova de Lisboa, 2004.

Cortes Portuguesas: Reinado de D. Afonso V (Cortes de 1439), Carlos Manuel da Silva Moura e Pedro Miguel Araújo Correia Pinto (edição), Lisboa, Centro de Estudos Históricos da Universidade Nova de Lisboa, 2016.

Cortes Portuguesas: Reinado de D. Manuel I (Cortes de 1498), João José Alves Dias (organização e revisão geral); João José Alves Dias, A. H. de Oliveira Marques, João Cordeiro Pereira e Fernando Portugal (preparação); João José Alves Dias, Pedro Pinto, Maria João Pereira(transcrições); A. H. de Oliveira Marques e Pedro Pinto (revisão), Lisboa, Centro de Estudos Históricos da Universidade Nova de Lisboa, 2002.

Cortes Portuguesas: Reinado de D. Manuel I (Cortes de 1502), João José Alves Dias (organização e revisão geral); A. H. de Oliveira Marques, João Cordeiro Pereira, Fernando Portugal e Saul António Gomes (preparação); Saul António Gomes e João José Alves Dias (transcrições); Pedro Pinto e A. H. de Oliveira Marques (revisão), Lisboa, Centro de Estudos Históricos da Universidade Nova de Lisboa, 2001.

Ordenações Afonsinas, ed. Mário Júlio de Almeida Costa e Eduardo Borges Nunes, 5 vols., Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 1984.

Ordenaçoens do Senhor Rey D. Manuel (1797-1806), Coimbra, Real Imprensa da Universidade, 5 vols.

BIBLIOGRAFÍA CITADA

Andrade, Amélia Aguiar; Costa, Adelaide Millán (2011), Medieval Portuguese Towns: the Difficult Affirmation of a Historiographical Topic, en Mattoso, José; Rosa, Mª Lurdes; Sousa, Bernardo Vasconcelos; Branco, Mª João (eds.), The Historiography of Medieval Portugal c.1950-2010, Lisboa, Instituto de Estudos Medievais, pp. 283-301.

Andrade, Amélia Aguiar; Gomes, Rita Costa (1983-1984), As Cortes de 1481-82: uma abordagem preliminar, “Estudos Medievais” 3/4, pp. 157-211.

Boissellier, Stéphane (2009), Les documents sériels témoins de l’évolution du peuplement méridional portugais (XIIe-XVIe siècle): apports et limites d’une quantification sommaire et indirecte, en Denjean Claude (ed.), Sources sérielles et prix au Moyen Âge. Travaux offerts à Maurice Berthe, Toulouse, CNRS - Université de Toulouse - Le Mirail,

pp. 15-41.

Caetano, Marcelo (1985), A crise nacional de 1383-1385. Subsídios para o seu estudo, Lisboa, Verbo.

Campos, Nuno Silva (2004), D. Pedro de Meneses e a construção da Casa de Vila Real (1415-1437), Lisboa, Edições Colibri - CIDHEUS.

Cardim, Pedro (1998), Cortes e cultura política no Portugal do Antigo Regime, Lisboa, Edições Cosmos.

Carvalho, Sérgio Luís (1992), Sintra na Idade Média, Sintra, Sintra editora.

Carrasco Manchado, Ana Isabel (2016), ¿Cultura política o cultura de la política en los discursos de la nobleza? Una categoría de análisis para el estudio de la politización de la nobleza castellana en el siglo XV, “Studia Historica. Historia Medieval” 34, pp. 27-57.

Coelho, Maria Helena da Cruz (1993), O infante D. Pedro, duque de Coimbra, “Biblos” 69, pp. 15-57.

Coelho, Maria Helena da Cruz (1995), O Concelho e Senhorio de Viseu em Cortes, Actas do Congresso Infante D. Henrique, Viseu e os Descobrimentos (Viseu, 27-29 de Maio de 1993), Viseu, Câmara Municipal de Viseu, pp. 83-112.

Coelho, Maria Helena da Cruz (2011), Municipal Power en Mattoso, José; Rosa, Mª Lurdes; Sousa, Bernardo Vasconcelos; Branco, Mª João (eds.), The Historiography of Medieval Portugal c. 1950-2010, Lisboa, Instituto de Estudos Medievais, pp. 209-230.

Conde, Manuel Sílvio Alves (1996), Tomar Medieval. O espaço e os homens, Cascais, Ed. Patrimonia.

Costa, Adelaide Millán (2006), Comunidades urbanas de senhorio eclesiástico: a divergente experiência das cidades do Porto e de Braga, en Estudos em homenagem ao Professor Doutor José Marques, Oporto, Facultade de Letras da Universidade, pp. 77-85.

Costa, Adelaide Millán (2013), A cultura política em ação. Diálogos institucionais entre a Coroa e os centros urbanos em Portugal no século XIV, “En la España Medieval” 36, pp. 9-29.

Costa, Adelaide Millán (2014), O impacto urbano no discurso jurídico da baixa Idade Média em Portugal. Uma abordagem possível, “Edad Media. Revista de Historia” 15, pp. 59-78.

Costa, Adelaide Millán (1999), Projeção Espacial de domínios. Das relações de poder ao burgo portuense (1385-1502), Lisboa, Universidade Aberta (tesis doctoral inédita).

Cunha, Mafalda Soares da (1990), Linhagem, Parentesco e Poder: A casa de Bragança (1384-1483, Lisboa, Fundação da Casa de Bragança.

Cunha, Mafalda Soares da (1996), Práticas do poder senhorial à escala local e regional (fins do séc. XV a 1640), História dos municípios e do poder local em Portugal dos finais da Idade Média à União Europeia, César de Oliveira (dir.), Lisboa, Círculo de Leitores, pp. 143-153.

Cunha, Mafalda Soares da (2005), Relações de poder, patrocínio e conflitualidade Senhorios e municípios (século XVI-1640), en Cunha, Mafalda Soares da; Fonseca, Teresa (eds.), Os Municípios no Portugal Moderno Dos Forais Manuelinos às Reformas Liberais, Lisboa, Edições Colibri - CIDHEUS-EU, pp. 87-108.

Dias, Nuno José Pizarro Pinto (1990), Chaves Medieval. “Aqua Flaviae” 3, pp. 35-94.

Domingues, Maria João Monteiro (2008), Uma elite concelhia no Alentejo Quatrocentista: a administração municipal de Montemor-o-Novo, Oporto, Universidade de Porto (tesis de Máster).

Duarte, Luís Miguel (1985), Um burgo medieval que muda de senhor. Episódios da vida do Porto medievo, “Ler História” 5, pp. 3-16. URL:http://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/4799.pdf. [consulta:02/09/2017].

Duarte, Luís Miguel (2003), The Portuguese Parliament: are we asking the rigth questions?, “e-JPH” 1/2 [URL: http://www.brown.edu/Departments/Portuguese_Brazilian_Studies/ejph/html/Winter03.htm [consulta:10/09/2017].

Duarte, Luis Miguel (2005), Um país sem cidades?, O mundo urbano em Portugal na Idade Média, en Jimenez, Manuel Gonzalez (ed.), El mundo urbano en la Castilla del siglo XIII, vol. I, Sevilla, Fundación el Monte, pp. 243-257.

Ferreira, Maria da Conceição Falcão (2010), Guimarães: duas vilas, um só povo: estudo de história urbana: 1250-1389, Braga, CITCEM.

Ferro, João Pedro (1996), Alenquer Medieval (Séculos XII-XIV). Subsídios para o seu Estudo. Cascais, Ed. Patrimonia.

Fonseca, J. (1998), Montemor o Novo no Século XV, Montemor-o-Novo, Câmara Municipal de Montemor-o-Novo.

Marques, A. H. de Oliveira (1988 a), Introdução à história da cidade medieval portuguesa, en Novos ensaios de história medieval portuguesa, Lisboa, Presença, pp 13-42.

Marques, A. H. de Oliveira (1988 b), Cidades medievais portuguesas (Introdução metodológica ao seu estudo), en Novos ensaios de história medieval portuguesa, Lisboa, Presença, pp. 43-67.

Marques, A. H. de Oliveira; Gonçalves, Iria; Andrade, Amélia Aguiar (1990), Atlas das cidades medievais portuguesas. Séculos XIV-XV, Lisboa, CEHUNL - INIC.

Marques José (1994), Braga na Crise de 1383-1385, en Relações entre Portugal e Castela nos finais da Idade Média, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian/Junta Nacional de Investigação Científica, 1994, pp. 238-243.

Marques José (1997), O Senhorio de Braga, no século XV: principais documentos para o seu estudo, “Bracara Augusta” 46, pp. 3-143.

Moreno, Humberto Baquero (1973), A Batalha de Alfarrobeira. Antecedentes e significado histórico, Coimbra, Biblioteca Geral da Universidade.

Moreno, Humberto Baquero (1983-1984), O infante D. Pedro e o ducado de Coimbra, “Revista de História” 5, pp. 27-51.

Moreno, Humberto Baquero (1984), Abusos e violências na região da Beira Interior durante o reinado de D. Afonso V, “Revista de História das Ideias” 5, pp. 175-192.

Moreno, Humberto Baquero (1984a), A representação do concelho de Guimarães nas cortes de Lisboa de 1446, “Revista da Faculdade de Letras. História” 1, pp. 7-18.

Moreno, Humberto Baquero (1987), Bandos nobiliárquicos em Olivença nos fins do século XV, en Primeras Jornadas Ibéricas de Investigadores de Ciencias Humanas y Sociales (Olivenza, 18-19-20 octubre, 1985), Badajoz, Diputación, pp. 637-656.

Moreno, Humberto Baquero (1989), A nobreza do Algarve nos fins da Idade Média. “Revista da Universidade de Coimbra” 35, pp. 367-378.

Moreno, Humberto Baquero (1997), O Infante D. Pedro, Duque de Coimbra. Itinerários e Ensaios Históricos, Oporto, Universidade Portucalense.

Oliveira, José Augusto (20013), Na Península de Setúbal, em finais da Idade Média: organização do espaço, aproveitamento dos recursos e exercício do poder, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian - Fundação para a Ciência e Tecnologia.

Oliveira, Luís Filipe (2000-2001), Em torno das casas senhoriais dos finais da Idade Média, “Media Aetas” 3/4, pp. 87-102.

Oliveira, Luis Filipe (2009), A coroa, os mestres e os comendadores. As ordens militares de Avis e Santiago (1330-1449), Algarve, Universidade do Algarve.

Oliveira, Luís Filipe (1999), A Casa dos Coutinhos: Linhagem, Espaço e Poder (1360-1452), Cascais, Ed. Patrimonia.

Pereira, Maria Teresa Lopes (2000), Alcácer do Sal na Idade Média, Lisboa, Ed. Colibri.

Rodrigues, Ana Maria (1995), Torres Vedras. A vila e o termo nos finais da Idade Média, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian - Junta Nacional de Investigação Científica e Tecnológica.

Rodrigues, Ana Maria; Sá, Isabel dos Guimarães; Silva, Manuela Santos (2011-2013) (coord.) Rainhas de Portugal, Lisboa, Círculo de Leitores, 18 vols.

Silva, Manuela Santos (1997), Estruturas Urbanas e administração concelhia. Óbidos medieval, Cascais, Ed. Patrimonia.

Silva, Maria João Branco Marques da (1991), Aveiro Medieval, Aveiro, Edições da Câmara Municipal de Aveiro.

Sousa, Armindo (1985), O discurso político dos concelhos nas Cortes de 1385, “Revista da Faculdade de Letras. História” 2, 2ª série, pp. 9-44.

Sousa, Armindo, (1989), O Parlamento na época de D. João II (I. D. João II e o parlamento; II. Os Descobrimentos no parlamento), en Congresso Internacional Bartolomeu Dias e a sua época. Actas, Oporto, FLUP, vol. 1, pp. 231-261.

Sousa, Armindo (1989a), As estratégias dos municípios no reinado de D. João II, “Revista da Faculdade de Letras. História” 6, 2ª série, pp. 137-174.

Sousa, Armindo (1990), As Cortes Medievais Medievais Portuguesas (1385-1490), 2 vols., Porto, INIC - CHUP.

Sousa, Armindo (1990a), A governação de Braga no século XV (1402-1472) (História resumida duma experiência fracassada) en IX Centenário da dedicação da Sé de Braga. Congresso Internacional. Actas, Braga, Universidade Católica Portuguesa, vol. 2, pp. 589-616.

Sousa, Armindo (1990b), O parlamento medieval – perspectivas novas, “Revista da Faculdade de Letras. História” 7, 2ª série, pp. 47-58.

Sousa, João Silva e (2006), A casa senhorial de do infante D. Henrique, Lisboa, Livros Horizonte.

Vasconcelos, António Maria Falcão Pestana (2008), Nobreza e Ordens Militares. Relações Sociais e de Poder (Séculos XIV a XVI), Oporto, Universidade de Porto, (tesis doctoral) URL:https://repositorio-aberto.up.pt/bitstream/10216/.../tesedoutnobrezav01000065918.pdf [consulta: 15/09/2017].

Vicente, Maria da Graça (2012), Covilhã Medieval. O Espaço e as Gentes (Séculos XII a XV), Lisboa, Ed. Colibri. Vieira, Cátia Manuela Rios (2011), Formas de organização social na vila de Torres Novas nos finais da Idade Médi a, Lisboa, FLUL (tesis de máster).

Vilar, Hermínia Vasconcelos (1988), Abrantes Medieval, Abrantes, Câmara Municipal de Abrantes.




Copyright (c) 2018 Consejo Superior de Investigaciones Científicas (CSIC)

Licencia de Creative Commons
Esta obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento 4.0 Internacional.


Contacte con la revista aem@imf.csic.es

Soporte técnico soporte.tecnico.revistas@csic.es