Anuario de Estudios Medievales, Vol 35, No 1 (2005)

O moio-medida e o moio dos preços em Portugal nos séculos Xl a XIII


https://doi.org/10.3989/aem.2005.v35.i1.134

Luis Seabra Lopes
Univ. Aveiro (Portugal), Portugal

Resumen


Neste artigo, estuda-se o valor do moio (modius, modio, moyo) em Portugal nos séculos XI a XIII. Nesta época, o moio era simultaneamente uma medida de capacidade e uma unidade usada na especificação dos preços. Este estudo permite concluir que, enquanto o moio-medida tinha, nos sistemas legais em vigor em Portugal a partir de finais do século XI, uma capacidade não inferior à carga de cavalo (210 a 220 litros), alguns moios mais pequenos continuaram a ser utilizados em áreas rurais afastadas dos principais centros urbanos. Estes moios mais pequenos tinham capacidades em torno de 50 a 75 litros. Relativamente ao moi-preço, a informação reunida indica um valor entre 25 e 55 litros de cereal, Torna-se, assim, evidente, que o moio-preço não era equivalente ao moio-medida comum, podendo, no entanto, ser equivalente aos moios menores que ainda sobreviviam nas áreas rurais. A informação reunida sugere ainda que, do século X ao século XIII, e independentemente da inflacção, o moio-preço manteve-se em paridade com a unidade monetária conhecida como soldo (solidus).

Palabras clave


Moio; Medidas de capacidade; Equivalências; Preços; Portugal

Texto completo:


PDF


Copyright (c) 2005 Consejo Superior de Investigaciones Científicas (CSIC)

Licencia de Creative Commons
Esta obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento 4.0 Internacional.


Contacte con la revista aem@imf.csic.es

Soporte técnico soporte.tecnico.revistas@csic.es